Sport Club de Rio Preto
Em 1962 o Sport enfrentou o Flamengo que, com este mesmo time, veio a ser Campeão Estadual no ano seguinte.


   Se hoje, numa tarde de domingo ensolarada, o Flamengo desembarcasse lá no campo Divino para jogar com um time da nossa cidade não seria como há quarenta anos atrás, pois faltariam craques dos dois lados. Mesmo assim, o campo do Divino, novamente, estaria repleto de torcedores; afinal ainda somos apaixonados pelo futebol e temos a melhor seleção do mundo. Por isso, estamos aqui, nesta matéria especial, para falar do time que já enfrentou de igual para igual o Flamengo e muitos outros; estamos aqui para falar do Sport Club de Rio Preto.    Fundado em 1917, o Sport, que ainda existe, deixou saudades naqueles que viveram aqueles domingos e uma certa tristeza de não estar lá, naquelas tardes, nos filhos daquela geração que também curtem o futebol.
   Conversamos com o Sr. Nelson, o Simpatia, um dos jogadores do Sport mais experientes dos idos anos sessenta. Seu Nelson, um craque na zaga, contou-nos a alegria de jogar com a camisa verde. Disse que quando o Sport ia jogar em Valença, a torcida riopretana comparecia em massa, tanto que o trem ( naquele tempo o trem era o meio de transporte mais utilizado ) chegava com até cinco vagões extras. Sobre os campeonatos de Valença, perguntamos se o Sport ganhou algum naqueles anos, a resposta veio de primeira “ não, porque o juiz nunca deixou”.    Seu Nelson ainda nos disse que o Coroados foi o maior rival do clube riopretano. Quando se enfrentavam, a briga já começava na torcida – briga também diferente das de hoje. Falou de um torcedor apaixonado, e como tal passionalíssimo, o Seu Durval Avelar. Ganhar do Sport no campo do Divino era coisa difícil, contou o Sr. Nelson, tão difícil que um torcedor do Coroados, numa dessas partidas, gritou que era Coroados e dava quatro de vantagem. Imediatamente, seu Avelar peitou o desafiante e topou a aposta. Mas, o torcedor do Coroados, sentindo o risco de perder, logo respondeu que quem quisesse ganhar dinheiro fácil que fosse trabalhar. Seu Durval então, claro, chiou, e com ele, outros também. O jogo só começou depois que os ânimos se acalmassem na torcida. E se o Sport ganhou aquela partida, ele respondeu com a mesma facilidade com que jogava e sorri: “claro”.
   Esperamos, com esta matéria especial, registrar um pouco do que foi o Sport e estamos na torcida e com esta página à disposição da nova direção do Sport para noticiar a sua volta, e, tomará, que ele volte com um futebol tão colorido quanto os das chuteiras de hoje. Enfim, que esta matéria não pare aqui, aguardamos outras participações, por exemplo, para falar do Sport campeão de 1938, ou para falar o que lhe aprouver, sr. leitor, sobre este nosso clube do coração: o Sport. Texto Adriano. veja fotos

Voltar