CORPORAÇÃO MUSICAL LIMA SANTOS

     Cidade mineira do interior que se preza tem uma pracinha, uma matriz e uma banda de música. Rio Preto se preza, tem tudo isso. A banda se chama Lima Santos, uma homenagem ao seu fundador, o maestro Venâncio Lima Santos. A Furiosa, como é carinhosamente chamada, teve a sua primeira diretoria constituída em 28 de junho de 1905. De lá pra cá foram altos e baixos. Mesmo diante dos tempos difíceis, o compromisso de animar e homenagear sempre tocou mais alto nos seus integrantes.Ela está presente nas festas cívicas, no carnaval, na Semana Santa, entre outros momentos de nossa história. Na Semana Santa, a Lima Santos emociona a todos com sua densidade litúrgico-musical, executando Cantos da Paixão.

     Para falar mais sobre a banda, conversamos com a Sra. Lila M. Pires Moreira. Uma apaixonada pela banda que, para ela, é uma verdadeira " relíquia riopretana ". Realmente, trata-se de uma preciosidade: sua sede é centenária e muito bem conservada; seus instrumentos bem cuidados; suas partituras devidamente catalogadas. Para manter esta ordem, ela aponta o trabalho precioso de todos os membros e, sobretudo, dos seus arquivistas Antônio R. Magalhães e Jorge L. Alves de Oliveira. Frisa, ainda, o trabalho de anos do Toninho, o integrante mais antigo. Além do arquivo, ele ensina música, conserta os instrumentos, enfim, veste a camisa da Lima Santos com os outros 36 músicos. Isso mesmo, a Furiosa conta com 37 músicos e mais de 60 instrumentos. A Sra. Lila nos contou também uma passagem histórica da Lima Santos, em 14 de junho de 1963, quando participou do Programa " A Lyra do Xopotó ", na Rádio Nacional do Rio de Janeiro, sob a regência do maestro Estevan Giffoni. Essa apresentação histórica da banda ficou eternizada com a gravação de um LP.
Nesses quase cem anos, a Lima Santos formou músicos que se tornaram famosos, entre eles, podemos citar o Sr. Aprígio de Carvalho - que se consagrou maestro da Banda do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro. Hoje, ela conta com 15 alunos que serão, famosos ou não, pessoas de bem, cidadãos. É fácil ver que lá é uma escola de vida que se sustenta no trabalho gratuito e apaixonado dos seus membros e pelas contribuições da comunidade. Para conferir essas linhas, é só dar uma passada na Rua Nilo Peçanha, onde funciona sua sede, ou esperar uma apresentação. Será uma emoção daquelas que um dia o músico Chico Buarque teve quando viu uma banda passar tocando coisas de amor. Confira!

Texto e pesquisa - Cláudia e Adriano.
Obs.: Para saber mais sobre a nossa banda, consulte, na Biblioteca Municipal de Rio Preto, o livro "Corporação Musical Lima Santos, Cem anos de cultura em Rio Preto".

A HISTÓRIAS DAS CORPORAÇÕES MUSICAIS EM MINAS

Voltar